Ela, pessoa reservada e de pouco contato social, tinha suas próprias tradições: gostava de oferecer para algumas visitas, quando as recebia, café. Apenas o café, nada mais. Como não costumava comer entre as refeições, raramente tinha algum petisco ou algo a oferecer além do café. Não gostava de adoçar as coisas, então havia dias em que simplesmente não tinha açúcar ou adoçante para disponibilizar às visitas. Quando pediam algo para adoçar a bebida, ficava confusa: como podiam estragar tal sabor?  Ficava sem graça se pedissem por algo a mais que ela não tinha para ofertar naquele momento. Para ela, o café expresso era o melhor item que poderia oferecer para alguém. E ela escolhia cuidadosamente que café ofereceria para cada pessoa, buscando dialogar sempre gosto, com personalidade e intensidade. Para ela, o café, preto e intenso representava a vida em sua força e capacidade de proporcionar grandes prazeres, apesar das queimaduras na boca. Havia muito mais significado em oferecer uma xícara de café amargo, pensava, do que supunham os romantismos baratos e as tolas regras de etiqueta social.

*Amor expresso é nome do livro da autora Adriana Aneli, publicado pela editora Scenarium. O livro consiste em 50 mini-contos que tem o café como tema.

Anúncios

2 comentários sobre “Amor expresso, conto 51*

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s