Partida

Fecho os olhos e escuto o som do mar. O sol se põe em breve, o cheiro da maresia me inebria. Há um pequeno rato brincando entre os barcos jogados na areia… Inocente, parece não saber o asco que causa nas pessoas. Mas perto do mar ele guarda certo encanto enquanto corre na praia. A vista para o morro é ainda mais bonita durante os últimos raios solares; cada casa irregular carrega um pouco de charme consigo.

O sol já se pôs, está tudo escuro e as estrelas, tímidas, começam a aparecer. Sento nas pedras, pois o mar me chama. Sinto-o com toda sua força chegando perto de mim, implorando para eu ir ao seu encontro. Me rendo e coloco os pés na água, que acaricia minhas pernas e convida a entrar mais. A cada onda me sinto mais leve e as energias negativas se dissipam.

Caminho então em direção ao horizonte. Vejo pouco; está escuro e uma chuva fraca ofusca as estrelas. Não ligo, gosto do sabor que tem quando a água doce e a salgada se misturam em minha pele.

Meu corpo pede para que eu mergulhe e fique entre as ondas no meio da noite. A embriaguez da madrugada me faz ceder aos meus próprios caprichos. Enquanto afundo, todas minhas dores vão embora. Sinto uma febre, que eu não sabia ter, cessar. Não consigo mais sair daqui, cada parte minha se perdeu em prazer em meio à espuma. Já decidi: fico! Fico até que seja eu mais uma parte do mar.

Anúncios