Retorno

De tanto se rejeitar,

foi embora dela mesma

Mas agora quer voltar

sem medir esforços para isso

Anúncios

Promessas ao ano que (quase) passou

Scenarium livros artesanais

PorAdriana Elisa Bozzetto


 

É o primeiro dia do último mês de 2017 e as tradicionais promessas feitas no início do ano não se cumpriram. Dezembro parece ser um mês ideal para pensar em novas promessas para o novo começo de ano que, para variar, não serão cumpridas. Pensando nisso, resolvi inovar nessa transição de ano. Ao invés de comemorar o ano novo, vou celebrar o que resta do ano velho e fazer promessas para dezembro.

Ver o post original 531 mais palavras

Desintoxicação

Em você me reabilitei

mas forcei feridas,

vívidas

lembranças

 

Me viciei em dores

misturadas com afeto

silenciosamente suportando

o sempre insuportável

 

Um beijo dilacerou

mais que palavras

embriagadas

abertura de temores

 

Seu mundo me absorveu

com suas mãos

em meu rosto

pela primeira vez

 

Seu carinho foi brisa

na febre

Quem dera você tivesse me tocado

quando te toquei

 

Sua voz soou música

seu olhar virou poesia

Fui embora te sentindo

abstinência cruel!

 

Dias mais frios

te querendo

te afastando

Como te esquecer?

 

Me pergunto:

¿errei?

Ou não há erros ao sair

do que já intoxicou?

 

Seres desestabilizantes

prendem paixões

pela omissão

de qualquer resposta

 

Destino segue seu caminho (?)

Amanhecer

Não quero mais a noite!

Quero a luz, quero o calor

chega de me esconder entre

fantasmas

 

Será este

o momento de responder

aos desejos do meu coração,

que tanto anseia amar e

teme o amor?

 

Este mesmo coração

cigano

que insiste em se prender

onde as amarras são fracas

e as raízes, falhas

Carta para meu professor

Caro professor,

Não pedirei mais licença:

minha vez de falar!

Seu orgulho e vaidade vão te permitir me ouvir?

 

Minha depressão

nunca foi abertura para se aproximar

com suas nojentas intenções

ou projetá-las em mim

 

Na sua idade, você deveria ter consciência:

usar sua hierarquia para

sondar a ingenuidade dos dezoito anos

recém chegados numa nova cidade e se descobrindo,

é abuso!

 

Depreciar a capacidade de alguém,

vigiar por três anos essa pessoa,

se dar ao direito de ter instintos sobre ela,

é abuso!

É nojento!

É doentio!

 

E se a diferença de idade fosse menor?

Você libertaria seus instintos?

Em suas palavras, você só os controlou

por achar ridículo

eles se manifestarem

por alguém tão mais nova!

 

Sim, caí na sua manipulação

foram três anos, mais

alguns momentos de fragilidade

 

Tentei me enganar:

menti que estava tudo bem

mas passar mal ao te ver

temer sua descoberta ao me relacionar com alguém

estragaram minhas próprias mentiras

 

Você quis me controlar

psicológica, fisicamente

Mas não sou sua!

Não é você que define quem sou

que decide meus caminhos

que define se terei ou não companhia;

Adivinhe? SOU EU!

 

Agora que estou mais forte,

vejo que nunca fui fraca

como você acreditou

Pois mesmo atordoada e inconsciente do perigo,

não cedi totalmente aos seus caprichos!

Estações

Era uma noite perdida,

tranquila, sozinha,

depois de um outono seco

.

A descrença no amor

se fez quando ele mais esteve presente

meu coração se tornou gelo

.

Mas seu beijo me fez sentir

que o inverno

se transformava em primavera

.

Era só extensão da estação fria?

Ou posso acreditar

na esperança

de um verão?

Depressão

Cada dia aparece

nova batalha

entre me permitir viver

ou ficar no chão frio

abatida pelo sono excessivo

 

Acordar sempre é

parte da vitória diária

de não sucumbir à paralisia

quase total

 

E fugir é a melhor forma

de fingir que a felicidade

também foi feita para mim

longe de caixas

compradas em farmácia

Escrita

Escrevo porque sinto dor

Escrevo porque meus versos são sangue

Escrevo porque a poesia é crua

Escrevo para não me entregar

Escrevo porque meu espírito precisa de força

Escrevo porque minha alma quer partir

Escrevo porque ainda quero ficar

Escrevo porque estou aprendendo

Escrevo porque viver é o que mais temo

Escrevo porque temo o que mais amo

Escrevo porque essas linhas são lágrimas

Escrevo porque escolhi seguir

Escrevo porque cansei de chorar

Escrevo porque não estou sozinha

Escrevo para me purificar

Escrevo porque estou doente

Escrevo para me curar

Vidência

-Conte-nos o futuro! 

o que acontecerá? 

Perderemos sonhos 

protegendo a vida? 

Perdoaremos homicídios 

esquecendo suicídios? 

Curaremos doenças 

com tempo de rezar? 

Moraremos no deserto 

para nos salvar? 

 

-Protegeremos sonhos 

esquecendo a vida. 

Perdoaremos suicídios 

antes de homicídios. 

Rezaremos 

curando doenças. 

Moraremos no deserto, 

sem esquecer 

que a neve noturna 

é a água da manhã.